Que probióticos podem ajudar na esclerose múltipla?

Que probióticos podem ajudar na esclerose múltipla?

Introdução à Disbiose e Esclerose Múltipla

Existe um crescente número de estudos indicando um papel das bactérias intestinais no surgimento e progressão da Esclerose Múltipla (EM). Nesse contexto, o uso de probióticos é bastante comum. Mas quais probióticos são realmente benéficos para a EM? O que a pesquisa atual diz sobre o uso dessas bactérias benéficas em pacientes com EM?

Quais probióticos para a EM?

Os probióticos são microorganismos vivos que, quando consumidos em quantidades adequadas, podem ter efeitos positivos na saúde. Em pacientes com EM, eles podem complementar a medicação. Os probióticos incluem, por exemplo, bactérias produtoras de ácido lático presentes no kefir, chucrute e kvass. Além disso, os prebióticos, uma forma de fibra encontrada em grãos integrais, vegetais de raiz, Alliums, alcachofras e outros vegetais, também ajudam a apoiar a flora intestinal.

Quais bactérias intestinais para EM?

O papel da microbiota intestinal na Esclerose Múltipla é um tema de pesquisa atual. Estudos mostraram que o microbioma intestinal dos pacientes com EM difere do microbioma intestinal de pessoas saudáveis. Uma bactéria encontrada frequentemente em pacientes com EM não tratados é a Akkermansia muciniphila.

O que tem efeito anti-inflamatório para EM?

Além do uso de probióticos, existem substâncias específicas que podem ter um efeito anti-inflamatório na Esclerose Múltipla. Isso inclui, entre outras coisas, ácidos graxos ômega-3, como ácido alfa-linolênico, ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA), principalmente encontrados em peixes. Por outro lado, o ácido araquidônico, um ácido graxo ômega-6 encontrado em carnes gordurosas e salsichas, é conhecido por promover inflamações.

Quais suplementos ajudam na EM?

Para uma dieta anti-inflamatória na Esclerose Múltipla, os antioxidantes vitamina A, vitamina C, vitamina E e β-caroteno, assim como os oligoelementos cobre, selênio e zinco são particularmente importantes. É recomendado que os pacientes com EM tenham um suprimento adequado desses nutrientes.

Quais remédios naturais para EM?

No caso da Esclerose Múltipla, remédios naturais, como os ácidos graxos ômega 3 presentes no óleo de peixe, podem ter efeito positivo. Óleos vegetais como óleo de colza ou óleo de linhaça também podem ter um impacto positivo. Uma mudança na dieta para primariamente à base de plantas pode levar a uma diminuição do ácido araquidónico no corpo, que também pode ter um efeito positivo.

Conclusão

O conhecimento sobre o papel das bactérias intestinais e probióticos na Esclerose Múltipla está sempre se expandindo. Existem indícios de que uma flora intestinal equilibrada e a ingestão de certos probióticos podem ter um efeito positivo no curso da doença. No entanto, é importante trabalhar de forma individualizada, com uma dieta equilibrada e os suplementos nutricionais necessários.

Voltar para o blogue

Declaração de exoneração de responsabilidade: As informações contidas neste artigo foram compiladas de boa fé e têm apenas um objetivo informativo. Não substitui o aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Consulte sempre o seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado em caso de dúvidas sobre o seu estado de saúde.